A andorinha dos beirais está a desaparecer

Esta andorinha só nidifica nos beirais e noutras saliências das paredes exteriores das nossas casas.
Foi aqui a mais representativa mas, nos últimos tempos, está em progressivo desaparecimento, tendo já sido largamente ultrapassada, em número, pela sua homónima das chaminés, sem que o número destas tenha aumentado.
O surto de construção civil a que nos últimos anos vimos assistindo levou a que, nas nossas aldeias, as velhas casas com telhados de telha de canudo, que passavam de avós para netos, tenham vindo a dar lugar a modernas e confortáveis moradias.
Muitos dos proprietários desses imóveis, zelosos com a limpeza das paredes das suas habitações, enxotam as andorinhas dos beirais, dizendo-lhes:
-Vão fazer o ninho p'ra outro lado !...(Eu, próprio, já presenciei várias cenas destas)
Deste modo, o que dantes era desejado, por ser considerado um sinal de bom augúrio, passou a ser rejeitado, e as pobres das andorinhas dos beirais, escorraçadas de porta em porta, acabam por ser impedidas de cumprir a sua função de procriar.
Num passado ainda não muito distante, principalmente no seio das nossas comunidades rurais, as andorinhas eram consideradas aves sagradas, as galinhas de Nossa Senhora. Ai do miúdo travesso que ousasse destruir-lhes os ninhos !... Isto explica que estes permanecessem intactos e servissem de berço a sucessivas gerações de andorinhas dos beirais.
A mudança de mentalidade das nossas gentes, e a melhoria das nossas condições de vida estão a ter reflexos negativos na reprodução desta ave, o que pode levar à sua extinção.